A GRAVIDEZ E O DIABETES

 

GravidezConsiderado uma das doenças crônicas mais comuns do mundo, o diabetes mellitus é originado pela produção inadequada ou deficiência de ação da insulina, hormônio do pâncreas responsável pelo metabolismo do açúcar. Caracterizado pela hiperglicemia - o aumento da taxa de açúcar no sangue -, o distúrbio deve receber um acompanhamento adequado durante toda a vida, especialmente na gravidez.

A gestação da mulher diabética deve ser programada para que aconteça quando os níveis de glicose estejam normais. Do contrário, é possível acontecer uma má-formação do feto. E, assim que for confirmada a gravidez, deve-se iniciar um rigoroso pré-natal.

 

E mesmo as mulheres que não são portadoras de diabetes devem ficar atentas ao aparecimento de um distúrbio exclusivo do período, o chamado diabetes gestacional.

Esta condição, que pode persistir ou desaparecer depois do parto, tem relação com as modificações fisiológicas da gravidez e pode se desenvolver principalmente em mulheres que têm propensão à doença. Outros fatores de risco são: obesidade, antecedentes familiares de diabetes, idade materna superior a 35 anos e partos anteriores de bebês que pesaram mais de quatro quilos.

O diabetes gestacional é diagnosticado através de um exame de glicemia em jejum, que deve realizado em idade gestacional precoce, se possível ainda na primeira consulta do pré-natal.


 

Conseqüências do Diabetes na Gravidez

O diabetes na gravidez, seja ele inerente ou gestacional, pode acarretar uma série de complicações se não for tratado adequadamente. Isso acontece porque os altos níveis de açúcar no sangue da mãe podem causar anomalias congênitas nas crianças, além de fazer com que os dois - mamãe e bebê - aumentem de peso.

Entre os problemas relacionados ao controle inadequado da doença está o atraso de maturação pulmonar do bebê, que o torna suscetível a uma insuficiência respiratória no nascimento, além de excesso de líquido amniótico, condição conhecida como hidrâmnio, que pode ocasionar um parto prematuro.

Uma das complicações mais sérias é o choque ocorrido na hora do parto, quando a criança sai de um ambiente com altos níveis de glicose para outro que não oferece mais essa substância. A criança entra, então, em hipoglicemia, o que pode acarretar, em casos extremos, até o seu óbito.

Cuidados Necessários

No caso do diabetes gestacional, o tratamento inicial considera uma dieta balanceada, que controle a glicemia da mãe e ofereça, ao mesmo tempo, boas condições nutricionais para o bebê.

A mamãe que já era diabética também deverá cuidar bem de sua alimentação, de acordo com as orientações do pré-natal. Exercícios físicos também são indicados para o tratamento.

Na gravidez não se deve usar medicamentos hipoglicemiantes. Nestes casos, deve-se substituir seu uso pela injeção de insulina. Mas este tipo de orientação deve ser dada exclusivamente pelo médico que acompanha a paciente.

A gestante deverá seguir um rigoroso acompanhamento médico. Esse cuidado é imprescindível para que o diabetes seja controlado, o que visa prevenir as complicações que ele pode causar.

Sem dúvida, o pré-natal e o auto-controle são as principais ferramentas que a futura mamãe tem para prevenir possíveis complicações e ter uma gravidez tranqüila.


Categoria: Gravidez

Publicado em: